Enquanto autoridades norte-americanas e europeias veem a necessidade de vendas de ativos para autorizar a união da Syngenta com a ChemChina, no mercado brasileiro as duas companhias têm caminho livre para consolidar suas operações. A aquisição da empresa suíça pela chinesa foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A superintendência geral do órgão brasileiro de defesa da concorrência deu aval para a operação (ato de concentração 08700.006269/2016-90)  em 24 de fevereiro deste ano. No parecer que recomendou a aprovação sem restrições, o Cade reconhece que há uma sobreposição das atuações das empresas em diversos mercados. No entanto, considera que há concorrência suficiente para evitar “exercício de poder de mercado”.

“Embora a entrada nesses mercados tenha caráter intempestivo, principalmente por questões inerentes ao processo regulatório, as preocupações concorrenciais podem ser afastadas pelo critério de rivalidade. Não foram identificadas preocupações concorrenciais decorrentes das relações verticais ou reforçadas pela operação”, diz o parecer do Cade. (Revista Globo Rural)

As notícias compartilhadas e produzidas por outras fontes não traduzem a opinião do grupo RPA. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do mercado ou do setor sucroenergético.

Banner Oferta Mapas

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER

Nome:

Empresa:

Cargo:

Email:

Topo